Plus500

16.4.19

Perpétua enquanto dure

Seagull voltou! Na verdade está voltando, aos poucos e devagarinho como deve ser.
Interessante lembrar como foi meu ingresso no mercado financeiro, depois de um curso na FGV, tudo começou pela mesa de Open Market, onde tive minha primeira incursão no mundo das finanças. Era o início dos anos 80. Negociar títulos da dívida pública e outros privados foi um excelente treinamento para entender a questão dos juros e da política monetária.
Por coincidência, no lançamento dos mercados futuros no Brasil o primeiro produto negociado foram os contratos de taxa de juros, o que também me fez pioneiro nas bolsas de mercadorias no país, além de ter proporcionado a experiência única de participar dos pregões de viva voz.
Com os seguidos planos econômico as mesas de open ficaram bem ociosas, os negócios minguaram, e, por felicidade, o departamento de bolsa da minha corretora de valores vinha prosperando bastante com as estratégias em opções desenvolvidas pelo nosso diretor. As ações da Vale do Rio Doce na BVRJ e a Petrobras na Bovespa eram os carros-chefes das transações com derivativos.
Por já ter credenciamento como operador de pregão senior, caí dentro do recinto da Praça XV já brigando com as feras. Nossa corretora tinha um patrimônio pequeno, mas gerava muito volume com os financiamentos, travas, borboletas, negociando papel, opções, volatilidade, tudo que fosse possível, e tivesse liquidez. Era briga dura pela liderança em volume contra Multiplic, Ativa, Garantia, Prosper, Graphus. Os clientes foram outra escola: os big shots da época, grandes players como Nagi Nahas, Alfredo Grumser, Leo Kriss, e diversos fundos de pensão utilizavam os prestimosos serviços da equipe.
Ganhava-se dinheiro, muito mais para a jurídica, e alguma coisa na física. Os salários não eram maus, e ainda havia bônus por desempenho.
Mas o que o passarinho aqui queria mesmo era ser piloto de avião. A escola do voo livre, com diversas presenças em competições, tendo sido campeão em duas delas, foi um caminho até natural para a carreira na aviação.
Foram mais de 20 anos pilotando aeronaves, desde o monomotor, os simuladores, como instrutor de voo por instrumento, piloto comercial, e de linha aérea, os grandes jatos em rotas internacionais. Muitas saudades da Varig, mais uma vítima da desfaçatez dos governos socialistas que saquearam o Brasil. Mas isso é outra história.
Vamos tratar do mercado. Quando deixei de voar já estávamos no século XXI. A tecnologia deu um salto, os homebrokers foram implementados e passavam por constantes aperfeiçoamentos. As estratégias eram as mesmas, as opções ganharam mais liquidez ainda, entretanto, não existiam séries abertas para longo prazo.
Este foi o grande diferencial que me fez voltar a acompanhar o mercado. Todo conhecimento adquirido na montagem de estratégias serviu como uma luva ao ser apresentado por um amigo a um professor que ensinava operações estruturadas perpétuas!?!?!
Como funcionário de instituição financeira, investidor individual, e até como administrador de um portal, provedor de curso para introdução ao mercado, análise técnica, estratégias com derivativos, nunca teria imaginado que pudéssemos fazer travas de linha com opções para vencimento de 1 ano, quem diria mais...
Como o Mestre falou, hoje não é difícil construir um helicóptero!?!? É dificílimo!!! Mas pensem então como foi para Leonardo Da Vinci idealizar o primeiro modelo com duas hélices, sendo uma para compensar a rotação da outra. Realmente incrível.


E foi assim que ele fez. Uma mente brilhante conseguiu convencer os gestores de fundos de pensão e tesourarias de bancos a ofertar para venda opções com vencimento em 24 meses. Vale uma lembrança que na minha época de operador, todas estratégias eram montadas com "calls"(as famosas opções de compra). Nem se cogitava negociar "puts". Pois, pela brilhante apresentação do Professor Su, através da mais simples matemática, os gestores se viram convencidos da eficácia de lançar opções de venda junto com a alienação de seus papéis em carteira para aplicar o capital nos juros compostos. Isso proporciona uma rentabilidade próxima aos 150% do CDI para os fundos, e felicidade total para seus cotistas.
Estava criada a ferramenta que permitiu ao Mestre viabilizar seus estudos com as operações estruturadas de forma "perpétua". O homem foi pesquisar na Ásia, no leste europeu, países escandinavos. Não encontrou quase nada, raríssimas literaturas, eventualmente em idioma malaio, húngaro, ou finlandês. Dá pra imaginar o trabalho para traduzir, depurar, filtrar o conteúdo, e juntar aos seus estudos, para permitir a formação de um curso, e a validação do método depois de um período de experiência com dinheiro real. A rentabilidade das operações é a prova do sucesso das estratégias.
Aproveitando as "fendas temporais" oferecida por este mercado, cuja precificação das opções de longo prazo no modelo de Black&Scholes sempre favorece o comprador, conseguimos executar as nomeadas Travas Horizontais de Linha no modo perpétuo. Compra-se a opção com vencimento mais longo possível, vendendo a opção do mesmo strike para o próximo exercício.
Pagamos um spread menor pelo combo, e fazemos rolagens lucrativas ao longo de cada vencimento da opção curta vendida. Parece complexo, mas dá raiva depois que entendemos a simplicidade da coisa. E na apuração do resultado a felicidade não poderia ser maior.
Uma trava com prazo de validade para 2 anos, adquirida por um custo entre 2,00 e 3,00 na PETR4, pode render até 0,80 em cada uma das 24 rolagem. Já somou para ver o resultado?
Hora de parar... mas o mercado não pára nunca!
De repente a gente volta a este assunto. Absss ˆvˆ.