Plus500

31.7.07

Alerta nos Mercados

Novatos enfrentam a sua primeira crise com a bolsa

A queda de quase 8% do Índice Bovespa na semana passada coincidiu com o aporte recorde de recursos em um único mês em fundos de ações. Segundo relatório semanal do site financeiro Fortuna, o ingresso de recursos em julho, até o dia 26, soma R$ 4,47 bilhões. Isso representa quase um terço dos R$ 15,830 bilhões captados em fundos de ações durante todo o ano. O volume aplicado nesses fundos num único mês é o maior da história, superando, inclusive, a captação de R$ 3,2 bilhões de junho de 1997. Somente em oito instituições - Banco do Brasil, Bradesco, HSBC, ABN Amro, Geração Futuro, Itaú, Safra e Unibanco -, entraram em fundos de ações cerca de 30 mil novos cotistas neste mês, segundo o Fortuna. A média de crescimento do número de investidores em carteiras de ações nos grandes bancos foi de 20%.

Esses aplicadores estão tendo um verdadeiro batismo de fogo. Entre os dias 19 e 26, por exemplo, R$ 1,176 bilhão foram destinados para fundos de ações. Nesse mesmo período, no entanto, o Ibovespa registra queda de 7,28%, sem contar a desvalorização de sexta-feira, quando o Ibovespa caiu 1,80%. No mês, a queda é de 0,92%, até o dia 26, mas no ano o ganho ainda é positivo, de 21,18%.

Os investidores menores normalmente demoram a reagir aos movimentos de mercado, pois são mais resistentes à troca de aplicações, diz Alexandre Espírito Santo, chefe do Departamento de Economia e Finanças da ESPM-RJ e sócio da Avanti Gestão de Recursos. Segundo ele, o conselho para aqueles que acabaram de ingressar em ações é manter a calma. "Ainda não está claro se o momento é somente de uma turbulência ou uma crise e quem se desesperar corre o risco de perder uma correção". Foi o que aconteceu ontem, quando o Ibovespa subiu 3,12%.

O Fortuna mostra que a maior captação em fundos de ações neste ano aconteceu principalmente nos meses de maio e junho, quando o Ibovespa subiu 6,77% e 4,06% respectivamente. No mês passado, o ingresso foi de R$ 3,550 bilhões e, em maio, de R$ 2,544 bilhões.

Mas não foram apenas os fundos de ações que sofreram perdas na semana passada. Levantamento feito pelo Valor com dados do site Fortuna mostra ainda que de 50 fundos multimercados de gestores independentes, 39 tiveram perdas, sendo que oito passaram de ganhos para prejuízo no mês. Já entre quase 60 long/shorts (carteiras de arbitragem entre ações) independentes e de bancos, só dois estão com perdas no mês. Nos sete dias encerrados dia 26, os multimercados têm perda média de 0,73%, mais de três vezes o retorno do CDI no período, de 0,21%, ou quase toda a variação do referencial no mês, de 0,84%.

Os fundos DI, no entanto, tiveram ganho médio de 0,20% nos sete dias encerrados dia 26 e, no mês, rendem 0,79%. Como são compostos por papéis com juros pós-fixados, essas carteiras ganharam com a alta das taxas na semana passada. Já os renda fixa, que têm papéis prefixados, ganharam 0,08% no mesmo período e, no mês, têm rentabilidade média de 0,64%.

Movimentos como esse são importantes para o investidor ter consciência do ativo em que investe, ou seja, ter uma dimensão do risco a que está. (Valor)

4 comentários:

Seagull disse...

É verdade, Zara! E esta é uma das minhas preocupações: como reagirão os novos investidores nestes momentos de incerteza?

Pelo menos tenho a consciência tranquila por tentar passar, a cada consulta que recebo, um cenário fiel da situação nos mercados.

Mas quando um motorista de taxi (o porteiro, até mesmo um advogado) diz que está pensando em trocar a caderneta de poupança por ações em bolsa de valores, vale mesmo ficar alerta!

Abs ^v^

Mick disse...

Segundo o BDI de 31/07, que acaba de ser divulgado, os gringos, que vinham saindo gradual e consistentemente desde o dia 10/07, até o dia 27/07 tiraram da Bovespa R$ 3.235.788,00 - ou seja - a maior saída da história da Bovespa - 43% maior do que no mês de junho/06, segundo recordista histórico - nem nos meses que antecederam a primeira posse do Lula houve resgate semelhante.

Fora isso, desde o dia 13/07 os gringos também vem aumentando direto o saldo de contratos futuros do IBOV vendidos: 47809 em 30/07 - que talvez também seja o limite histórico.

Dá ou não dá prá suspeitar que essa última crise (bem como a estúpida elevação do EMBI) foram carta marcada?

Seagull disse...

Interessante...

São números realmente muito representativos, Mick!

Valeu

^v^

Mick disse...

É...isso bem lembra o efeito Tostines (é fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é fesquinho?)