Plus500

27.7.07

Opinião sobre a queda

Da forma como aconteceu, foi inacreditável.

Uma instituição supra-nacional de altíssima respeitabilidade e reputação internacional (pelo menos até ontem), sem mais nem menos, sem que tivesse ocorrido um fato novo, sem que tivesse ocorrido uma mudança circunstancial substantiva (eu, pelo menos, não encontrei nada que já não fosse de conhecimento público), resolveu agir de uma forma surpreendentemente irresponsável, e porque não dizer até criminosa, elevando em aproximadamente 20% o “Risco País” de um grande número de países, “de nações inteiras”, tudo isso em menos de 24 horas. Essa instituição foi uma paridora de catástrofe mundial!!!

Eu acredito que uma atitude dessas, até em países mais complacentes como o nosso, ensejaria profundas investigações e condenações sobre a falta de ética, sobre a responsabilidade criminal, bem como sobre os interesses envolvidos, sobre o vazamento antecipado dessas informações e sobre os beneficiários de um ato tão rebuliçoso assim.

Posso até estar enganado, e se tiver peço desculpas, mas até agora não achei outra explicação mais razoável para o ocorrido ontem.

7 comentários:

Wilson Felicio disse...

De qual instituição supra-nacional você está falando? Do "mercado"? O risco país nada mais é que um índice de quanto os investidores querem receber a mais para ter um título brasileiro ao invés de um norte americano...

Seagull disse...

Prezado Wilson,

Muito obrigado pela sua participação.

O EMBI+ é calculado pelo JP Morgan, e acredito seja esta a instituição que o amigo Mick fez referência.

Mas o cálculo do risco é baseado exatamente nestes fatores que vc mencionou. Pesou lá na Matriz, os emergentes que pagam a conta!

Abs ^v^

Wilson Felicio disse...

O JP calcula o EMBI, mas não é a instituição que eleva o risco Brasil. O que eleva o risco é exatamente a aversão dos investidores por títulos de emergentes e fuga de capital para as treasuries norte-americanas.

Seagull disse...

Perfeito!

Além do risco (calculado em pontos-base) existem também as agências de classificação de risco - i.e. Moodys, S&P...

Valeu, Wilson, pelas ressalvas! ;-)

Forte abraço ^v^

Seagull disse...

Mas de fato, o que define o nível do risco é a relação entre os títulos brasileiros e os americanos.

E quem dita o número desta razão é mesmo o Sr. Mercado.

Abs ^v^

Mick disse...

Continuo sem entender:
Então o risco país é simplesmente uma constatação de diferencial de taxa entre títulos de países diferentes? Se é tão simples assim, porque índices semelhantes, calculados por outras entidades ou agências de classificação de risco, não tem a mesma respeitabilidade e importância? Então é o JP que calcula o risco mas não é o JP que eleva esse risco?
Fora isso, considerando que do dia 10 ao dia 25 deste mês, enquanto a festa corria solta, os gringos tiraram da Bovespa R$ 2,694 bilhões, não tem como eu não ficar intrigado com tamanha evasão de capitais.
Confesso que as considerações acima clarearam um pouco minha compreensão, mas ainda falta um bocado para eu mudar de idéia. Não é ironia, não. Eu quero entender melhor pois continuo tendo a impressão de que o JP andou colocando lenha na fogueira, só não foi ele que acendeu o fósforo. Tem como alguém me explicar melhor essa coisa?

Grato
Mick

Seagull disse...

RISCO BRASIL MARCA 219 PONTOS, EM ALTA DE 3,30%

SÃO PAULO - Um dos principais termômetros da confiança dos investidores na economia brasileira, o EMBI+ Brasil, calculado pelo Banco JP Morgan Chase, indicava 219 pontos às 13h20, com elevação de 3,30% ante o último fechamento. Na sexta-feira, indicador havia registrado 212 pontos.

[b]Sobre o EMBI+ Brasil[/b]

O Emerging Markets Bond Index - Brasil é um índice que reflete o comportamento dos títulos da dívida externa brasileira. Corresponde à média ponderada dos prêmios pagos por esses títulos em relação a papéis de prazo equivalente do Tesouro dos Estados Unidos, tido como o país mais solvente do mundo, de risco praticamente nulo.

O indicador mensura o excedente que se paga em relação à rentabilidade garantida pelos bônus do governo norte-americano. Significa dizer que a cada 100 pontos expressos pelo risco-Brasil, os títulos do país pagam uma sobretaxa de 1% sobre os papéis dos EUA.

Basicamente, o mercado usa o EMBI+ para medir a capacidade de um país honrar os seus compromissos financeiros. A interpretação dos investidores é de que quanto maior a pontuação do indicador de risco, mais perigoso fica aplicar no país. Assim, para atrair capital estrangeiro, o governo tido como arriscado deve oferecer altas taxas de juros para convencer os investidores externos a financiar sua dívida - ao que se chama prêmio pelo risco.